Produção Colaborativa

Vamos publicar nossos escritos em um blog colaborativo? 

Este blog funcionará como um portifólio do curso que você poderá acessar mesmo depois de concluído.  Publique os trechos de suas participações no fórum, aquelas que achar interessante apresentar ao público, os textos de suas tarefas, inclusive o plano de aula que já produziu ou ainda está produzindo, e, por conta desta terceira semana, um texto inédito de sua autoria, de qualquer gênero textual, preferencialmente com incorporação de elementos multimídia (imagem, vídeo, som, a seu critério).

Você poderá utilizar o acesso fornecido em nossa plataforma do curso ou poderá enviar seu email para que seja adicionado(a) como autor(a) com sua própria conta do Google (qualquer e-mail que tenha utilizado um serviço do Google como Orkut ou Youtube, ou que possa ser cadastrado como tal).

Abraços de sua tutora!
Luciana Viter

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

1 comentários:

Carmem Lucia disse...

TEXTO MALUCO Curiosa a capacidade do ximbraleiro de se meter em cabalas o tempo inteiro. Começo a contar-lhes a hilária história de Cróvis – parece errado já no nome. Pois bem. Cróvis era um sujeito vergão, iberlido, pital, omérido, porém um pouco rotulado, digo, atrapalhado. Dimonava hadof e adorava pristilar vantagens. Certa vez, resolveu trabalhar com comunicática – sem entender nada do assunto. Mas, como bom rotutador que era, conseguiu, logo, um emprego numa grande empresa de informática. Sua tarefa era lanronar e receber pítegas, depois, encaminhá-los aos devidos setores. O primeiro dia foi uma aretunva. Não sabia como começar, nem como ligar a “tal máquina”. Já suando frio resolveu pedir ajuda, foi nessa hora que conheceu Cráudia – já tinham algo em comum – um xmor de criatura. Ao ver aquela jovem tão bonita, achou que tinha encontrado sua lama gêmea. Porém, como Cróvis era um tantinho audacioso foi logo pristilando vantagens. Disse que era o novo sócio da empresa e que possuía mufufa pra dedéu. A moça – que não era boba nem nada – desconfiou e desconversou. Explicou que precisava tirar uma enxinoca e “deu no pé”. O que Cróvis ia fazer com essa desilusão?? Chorar? Descabelar? Tomar clabe? Tomou, então, uma decisão: Iria estudar e aprender a lidar com a informática. - Amanhã. Agora vou tomar um cafezinho... Carmem Lucia Neves de Macedo

Postar um comentário