Produção textual combina com internet?

Hoje em dia, os gêneros textuais se ampliaram na base escolar, de três transformaram-se em incontáveis. Sejam eles: Receitas, quadrinhos, cartazes e outros. E os sites de relacionamentos e suas abreviaturas e variações?



O professor deixou de ser o centro referencial de conteúdo educativo mediante a internet e a incontáveis livros e mostrar isso para o aluno é importante, pois assim estamos mostrando a eles que são responsáveis por seu conhecimento e ampliação do mesmo, sendo o professor somente um mediador, um condutor ou facilitador.
Quando questionada em um fórum do curso Aplicação de Recursos da Tecnologia ao Ensino de Língua Portuguesa/sapi sobre a afirmativa de que o uso frequente da Internet impacta negativamente no Ensino da nossa disciplina, uma vez que esta influenciaria os jovens a "escrever errado", refleti e vejo que hoje penso que é possível fazer dessa questão uma oportunidade de explanar sobre linguagem textual e seus gêneros e tipos. Mas confesso que já cheguei a me estressar com algumas situações. Inexperiência!

Os alunos devem se atualizar sobre tudo, inclusive nós professores. Basta saber quando e onde usar. O aluno precisa saber que o tipo e o gênero do texto dependem da sua função e do interlocutor. Hoje trabalho dessa forma. Produzimos vários tipos de textos, escrevendo de formas diferentes, de acordo com sua função, objetivo e público.


As maiores dificuldades em relação à produção textual na escola a meu ver são:
“tirar" do fundo da alma deles o trauma da palavra "redação" e mostrar que pra tudo tem um caminho pra alcançar o objetivo.
Se no “Orkut” e “msn” eles usam abreviações, palavras como "miguxo" entre outros, o objetivo é ser emotivo, prático, dinâmico e até "gracioso". Mas isso não se encaixa no perfil de um texto cientifico, informativo etc.
Deve-se pensar qual a função do texto antes de escrever.
Eu brinco com eles pedindo que imaginem uma carta de recomendação para um emprego assim:

" Miguxo do meu S2,
Eu amodorão essa pexoinha que tá indo trab aí. Acc ela no job pq ela é fofuxa d+. “

Eles riem toda vez (risos). Enfim, tudo tem um caminho, uma forma pra alcançar o objetivo.


Fato é que tecnologia faz com que os alunos escrevam mais, porém o contato com apenas um gênero ou tipo de texto torna-os limitados. Então nosso passo a diante é oferecer mais oportunidades via internet para expressarem pensamentos, oportunidades essas que abranjam o maior número de gênero possível.

texto de: Vania Marinho

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

4 comentários:

Carmem Lucia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carmem Lucia disse...

TEXTO MALUCO
Curiosa a capacidade do ximbraleiro de se meter em cabalas o tempo inteiro. Começo a contar-lhes a hilária história de Cróvis – parece errado já no nome. Pois bem. Cróvis era um sujeito vergão, iberlido, pital, omérido, porém um pouco rotulado, digo, atrapalhado. Dimonava hadof e adorava pristilar vantagens. Certa vez, resolveu trabalhar com comunicática – sem entender nada do assunto. Mas, como bom rotutador que era, conseguiu, logo, um emprego numa grande empresa de informática. Sua tarefa era lanronar e receber pítegas, depois, encaminhá-los aos devidos setores. O primeiro dia foi uma aretunva. Não sabia como começar, nem como ligar a “tal máquina”. Já suando frio resolveu pedir ajuda, foi nessa hora que conheceu Cráudia – já tinham algo em comum – um xmor de criatura. Ao ver aquela jovem tão bonita, achou que tinha encontrado sua lama gêmea. Porém, como Cróvis era um tantinho audacioso foi logo pristilando vantagens. Disse que era o novo sócio da empresa e que possuía mufufa pra dedéu. A moça – que não era boba nem nada – desconfiou e desconversou. Explicou que precisava tirar uma enxinoca e “deu no pé”. O que Cróvis ia fazer com essa desilusão?? Chorar? Descabelar? Tomar clabe? Tomou, então, uma decisão: Iria estudar e aprender a lidar com a informática. - Amanhã. Agora vou tomar um cafezinho...

Carmem Lucia Neves de Macedo

Andreia Dequinha disse...

Vânia, gostei muito do seu texto e também das charges que serviram tão bem de moldura para ele, viu!!! Me diverti com elas!!! Realmente temos que acompanhar as novas tendências e nos atualizarmos, para que não corramos o sério risco de nos sentirmos analfabetos digitais! Um abração e boa sorte pra todos nós.

Anabe Cerqueira disse...

Excelente trabalho!!! Tirei várias ideias para aplicar em meus trabalhos. Obrigada! Anabe.

Postar um comentário